Notícia

Comércio Internacional

segunda, 07 de outubro de 2019
DEPUTADA VEM NA ASCOAGRIN E TRATA SOBRE PRIVATIZAÇÃO DA ADUANA

Deputada Caroline De Toni se reuniu com diretores da Ascoagrin, prefeito e empresários, na manhã de sábado passado, 5 de outubro

 

A deputada federal de Santa Catarina, Caroline De Toni, esteve em Dionísio Cerqueira, na manhã de sábado passado, 5 de outubro.

Ela veio ao município especificamente para participar de uma reunião, na sede da Associação Empresarial da Fronteira – Ascoagrin, que tratou sobre a privatização da Aduana de cargas no município.

O encontro teve a presença dos prefeitos, Thyago Gnoatto Gonçalves, de Dionísio Cerqueira, e Cezar Bueno, de Bom Jesus do Sul; do presidente da Ascoagrin, Marcos Voltolini; representantes do movimento “A Aduana é Nossa”; do Fronteiras Cooperativas; diretores da Associação, empresários e trabalhadores do setor de comércio internacional.

Iniciando a reunião, o presidente da Ascoagrin, Marcos Voltolini, fez uma breve explanação sobre o histórico da Aduana, desde sua implantação e início do movimento de cargas.

A Receita Federal começou emitir estatísticas do movimento anual de cargas em 1988, quando apenas sete caminhões passaram pela Aduna.

Em 1989, já foram 26 caminhões; em 1992, passaram 512 caminhões; em 1997, o número saltou para 8.601 caminhões; e em 2002, o total já era de 14.790 caminhões.

O maior movimento de cargas da Aduana aconteceu no ano 2010, quando 22.412 caminhões passaram pela Aduana.

De lá para cá, o movimento foi diminuindo gradativamente, fechando 2018 com a passagem de 16.143 caminhões.

Voltolini falou de ações importantes na luta pela melhoria de Aduana, em todos os aspectos, buscando sempre dinamizar e agilizar trâmites alfandegários.

Citou a criação do Núcleo de Empresários de Comércio Exterior da Fronteira – NECEF, atuando para fortalecer o setor na região; promovendo capacitações e debates sobre o setor e cobrando, fiscalizando e denunciando, quando necessário, e elogiando, quando fosse o caso.

O presidente destacou ainda a criação do movimento “A Aduana é Nossa”, após constantes reclamações e a perda significativa de competitividade da Aduana, com queda no movimento, em função Porto Seco de Dionísio Cerqueira ter adquirido a má fama de porto moroso e burocrático.

O movimento envolve a Ascoagrim, o NECEF, comunidade da trifronteira, Consórcio Intermunicipal da Fronteira – CIF, prefeituras, Legislativos, empresários e motoristas.

A partir do movimento, as questões envolvendo a Aduana ganharam repercussão estadual e nacional, e uma comitiva, representando a trifronteira, foi recebida, em 2018, pelo então presidente da república, Michel Temer, por dirigentes nacionais da Receita Federal e do Ministério da Agricultura e pela bancada de senadores e deputados federais catarinenses.

“Tivemos importantes avanços, mas foram insuficientes diante da demanda. Perdemos competitividade e as aduanas que são nossas concorrentes diretas são aduanas privatizadas. A solução que pleiteamos para a Aduana de Dionísio Cerqueira é a privatização”, disse Marcos Voltolini.

O vice-presidente da Ascoagrin e vice-presidente da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina – FACISC, para o Programa Empreende, Allan Kreutz, afirmou que o problema da Aduana não é apenas de Dionísio Cerqueira, mas de todo o estado de Santa Catarina.

“Dionísio Cerqueira é a única Aduana que liga Santa Catarina ao Mercosul. Quando empresas catarinenses, que recebem incentivos fiscais do governo do estado, não passam por Dionísio Cerqueira e usam aduanas do Paraná ou do Rio Grande do Sul, isso causa perdas para todo o estado”, salientou Allan Kreutz.

Os prefeitos, Cezar e Thiago, destacaram a vocação da trifronteira para o comércio internacional e que a Aduana é a principal “indústria” da trifronteira.

“Além desse contexto já citado, em breve a Rota do Milho iniciará efetivamente, e precisamos resolver esses entraves na Aduana. A privatização é a solução definitiva”, disseram os prefeitos.

A deputada, Caroline De Toni, que já vem tratando, em Brasília, de questões regionais como a Aduana de Dionísio Cerqueira e a recuperação das BRs 282 e 163, disse que, infelizmente, na Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO do próximo ano, não consta previsão de recursos para essas rodovias.

“Estamos trabalhando intensamente para, de alguma forma, revertermos essa situação”, afirmou.

Caroline parabenizou as lideranças e entidades pelo movimento em defesa da Aduna, pelo engajamento, luta e trabalho.

“Hoje a visão de governo favorece as privatizações e já estamos agendando reunião com o Secretário Nacional de Desestatização, para tratarmos da questão. Vamos levar para a reunião, representantes da trifronteira, para apresentarmos ao secretário o anseio e a necessidade de privatizar a Aduana de Dionísio Cerqueira”, concluiu a deputada Caroline De Toni.

Fonte: Luiz Carlos Gnoatto